7 maio, 2021
HR Bahia
  • Home
  • Brasil
  • COVID-19 E CÂNCER COMO FATOR DE RISCO: ESTUDO REFORÇA A DEFESA PELA INCLUSÃO DE PACIENTES ONCOLÓGICOS NOS GRUPOS PRIORITÁRIOS DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO BRASILEIRO
Brasil HR BA HR BAHIA Notícias Vacina

COVID-19 E CÂNCER COMO FATOR DE RISCO: ESTUDO REFORÇA A DEFESA PELA INCLUSÃO DE PACIENTES ONCOLÓGICOS NOS GRUPOS PRIORITÁRIOS DO PROGRAMA DE VACINAÇÃO BRASILEIRO

Logo após o anúncio do Ministério da Saúde confirmando o plano de imunização nacional contra a Covid-19, uma questão se coloca entre os pacientes oncológicos do Brasil: afinal, quem tem câncer deve ser priorizado entre os grupos que irão receber as primeiras doses da vacina? Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que o país conta com mais de 1,5 milhão de pessoas que dependem de tratamento oncológico, número que tende a aumentar de acordo com a previsão do Instituto Nacional do Câncer (INCA) de novos 625 mil novos diagnósticos para 2021.

Segundo o oncologista Bruno Ferrari, fundador e presidente do Conselho de Administração do Grupo Oncoclínicas, de maneira geral, o novo coronavírus não tem um impacto diferenciado em pessoas com câncer sem outras comorbidades. “Todavia, as sequelas que a contaminação pelo vírus pode trazer a esse público implicam não apenas no andamento das condutas de combate ao tumor maligno durante o período de controle da infecção pelo vírus, como pode gerar um comprometimento severo à saúde de pacientes imunossuprimidos – categoria na qual se enquadra uma parcela considerável das pessoas em tratamento ativo contra o câncer”, diz.

O médico destaca ainda que com o avanço no conhecimento sobre o novo coronavírus, fatores determinantes para as chances de mortalidade entre a população em geral se tornaram mais claros, mas há limitações no acesso a dados específicos sobre pacientes oncológicos. Levando isso em conta, um time de especialistas do Grupo Oncoclínicas realizou uma pesquisa detalhada sobre o prognóstico dessa parcela de brasileiros que contraíram a COVID-19, com base na análise de informações obtidas nos primeiros meses da pandemia no Brasil, entre final de março e início de julho de 2020.

Dados reforçam defesa de vacinação prioritária em casos de câncer

Dos pesquisados, 167 (84%) tinham tumores sólidos e 31 (16%) neoplasias hematológicas. A maioria dos pacientes estava em terapia sistêmica ativa ou radioterapia (77%), principalmente no ambiente não curativo (64%). A mortalidade geral foi de 16,7% – seis vezes mais alta na comparação com o índice global de letalidade pelo novo vírus, que está em 2,4%. Em modelos univariados, os fatores associados à morte após o diagnóstico de COVID-19 foram tratamento em um ambiente não curativo, idade superior a 60 anos, tabagismo atual ou anterior, comorbidades coexistentes e câncer do trato respiratório.

Em Portugal, onde o programa de vacinação já está bem avançado e é destaque na Europa, o programa já entra em seu terceiro lote de distribuição. Ainda assim, entidades ligadas ao câncer, como a Liga Portuguesa contra o Cancro (LPCC), vêm se manifestando formalmente sobre a necessidade de um olhar do governo local para a inclusão de pessoas com câncer na lista de grupos prioritários. Por lá, associações defendem que pacientes oncológicos com maior risco de morte se infectados sejam priorizados.

Por Tribuna da Bahia / Foto: HR BAHIA

Comente

comentários

Publicações Relacionadas

Caetité: PF prende estrangeiro acusado de lavagem de dinheiro para cartéis mexicanos e colombianos

hrbahia

Jovem de Mortugaba encontra-se desaparecido desde segunda-feira (26), família desesperada pede por informações

hrbahia

ASSOCIAÇÃO QUILOMBOLA DE SANTO INÁCIO, MUNICÍPIO DE IBIASSUCÊ ASSINA CONVÊNIO, REFERENTE AO EDITAL 11, DO PROJETO BAHIA PRODUTIVA.

hrbahia
Carregando....